Santa Catarina tem a segunda menor taxa de analfabetismo do país

A queda na taxa de analfabetismo é uma consequência do aumento da escolarização, conforme indicado pela pesquisa

A taxa de analfabetismo em Santa Catarina caiu para 2,3% em 2019, ante 2,5% em 2018, conforme dados do módulo Educação de 2019 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística na manhã desta quarta-feira, 15. O índice é o segundo menor do país, atrás apenas do Rio de Janeiro (2,1%), e quase três vezes menor que a taxa nacional (6,6%). O cálculo considera as pessoas a partir de 15 anos de idade.

Houve redução da taxa de analfabetismo em todos os grupos de idade na comparação com a pesquisa de 2018. No índice das pessoas com mais de 60 anos, por exemplo, houve redução de 8,2% para 7,3% na taxa de analfabetismo. Conforme o IBGE, 62,5% das pessoas analfabetas em Santa Catarina (85 mil pessoas das 136 mil) estão nesta faixa etária. Ainda assim, a taxa de analfabetismo dos idosos catarinenses é menos da metade do que os idosos brasileiros no país (18%).

A queda na taxa de analfabetismo é uma consequência do aumento da escolarização, conforme indicado pela própria pesquisa. O percentual de alunos entre 6 e 14 anos frequentando a escola é de 99,7%. Para alunos de 15 a 17 anos, idade correspondente ao Ensino Médio, a taxa de escolarização é de 93,7%, a quarta maior do país. Além disso, o IBGE aponta que o índice cresce a cada ano, tanto que era de 86,1% em 2016.

“A pesquisa mostra que Santa Catarina vem melhorando os índices em todas as faixas etárias, resultado do trabalho que vem sendo feito no âmbito da Educação estadual. A boa educação é a base para que tenhamos um Estado competitivo, com cada vez melhor qualidade de vida, onde todos se sintam bem e que atraia investimentos. É com base nesse trabalho que seguimos firmes no propósito de promover uma educação pública de qualidade”, destaca o secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni.

Nível de instrução e anos estudados

Os indicadores relacionados ao nível de instrução dos catarinenses também tiveram avanço em comparação com 2018. O percentual de pessoas com mais de 25 anos anos de idade que concluíram o Ensino Médio em Santa Catarina subiu de 47,2% para 48,5%. Enquanto isso, o percentual da população com Ensino Superior completo chegou a 18,1%, sendo o grupo que mais cresceu em Santa Catarina desde 2016, quando o índice era de 15%.

A pesquisa indica que 48,9% dos catarinenses com mais de 25 anos de idade tinham 12 anos ou mais de estudo, enquanto 14,9% da população tinha entre 9 e 11 anos de estudo, 25% tinha entre 5 e 8 anos de estudo e 11,2% tinha menos de 5 anos de estudos ou não tinha instrução, cujo percentual em Santa Catarina é o quinto menor do país. Além disso, a faixa de pessoas com 12 anos ou mais de estudo foi a única que cresceu desde 2016, subindo 4,9 pontos percentuais no período.

A média de anos de estudo da população acima de 25 anos em Santa Catarina cresceu de 9,6 para 9,7 em 2019, sendo a sexta maior no país e superior à média nacional (9,4). Se considerado o grupo de pessoas a partir de 15 anos de idade, a média de anos de estudo em Santa Catarina sobe para 9,9 anos na pesquisa de 2019.

Maior índice de pessoas de pessoas ocupadas e estudando

Outra característica de Santa Catarina é a alta proporção da população que estuda e trabalha. A pesquisa indica que, entre 1,52 milhão de habitantes de 15 a 29 anos de idade,  20,9% estavam ocupados e frequentavam a escola em 2019, o maior percentual do país.

Do outro lado, 12,4% dos habitantes do estado na mesma faixa etária não estavam ocupados e não frequentavam escola ou cursos técnicos, pré-vestibulares ou de qualificação profissional, a menor proporção entre todos os Estados. Para efeito de comparação, o percentual nacional foi de 22,1% em 2019.

A pesquisa completa está disponível para acesso no site do IBGE.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Foto: Divulgação