Retomada das atividades econômicas exige prevenção redobrada, diz Saulo Sperotto

Para o presidente de FECAM, restrições do Estado permitiram adequar rede de atenção nas cidades

O presidente da Federação Catarinense de Municípios (FECAM), prefeito de Caçador Saulo Sperotto, esteve presente em reunião com prefeitos das principais cidades catarinenses e o Governo do Estado. O encontro serviu para avaliar a condução e os próximos passos para combate ao coronavírus e, também, analisar a parte econômica.

“A falta da comercialização e produção acarretou na queda de impostos importantes, como o ICMS, que retorna parte dos recursos para o município. Não tenha dúvida que isso afetará a economia de todos”, relatou Saulo.

O prefeito relembrou que a partir da próxima semana alguns setores do comércio e indústria voltam ao trabalho, mas reforça a necessidade dos cuidados básicos.

“As atividades comerciais, prestação de serviços, a indústria, elas retornam, porque é preciso dar continuidade as atividades empresariais, mas não podemos deixar de lado os cuidados importantes com a higiene e as pessoas dos grupos de risco”, ressaltou o presidente da FECAM.

Os estudos apontam que o pico de contaminação deve ocorrer entre os meses de abril e maio, mas as medidas preventivas adotadas auxiliaram os municípios na estruturação das unidades hospitalares, segundo Saulo.

“Esse tempo serviu para que as prefeituras pudessem melhorar as suas estruturas, a infraestrutura para atender com segurança os pacientes, mas temos muito ainda pela frente, porém precisamos estar preparados porque o vírus vai chegar”, avaliou.

Recursos para os municípios

No encontro foram debatidos também os recursos que serão destinados para os municípios. Segundo Saulo, o Governo Federal sinalizou o repasse de R$ 14 milhões para as 295 cidades de Santa Catarina.

“Esse valor ajudará as prefeituras, mas será preciso mais investimentos. Está previsto outros recursos para a rede hospitalar em municípios que atendem média e alta complexidade”, salientou.

A cidade de Caçador conta com aproximadamente oito mil idosos, que fazem parte do grupo de risco.

“Cuidem dos idosos, pois são os mais suscetíveis a terem os problemas agravados. As restrições de aglomerações continuam. Tudo depende do tempo e da contribuição de cada cidadão. Por isso pedimos que fiquem em casa, preserve as pessoas idosas e aquelas dos grupos de risco”, finalizou.

Fonte: Jornalismo Rádio Caçanjurê
Foto: FECAM