Região da AMARP segue em nível gravíssimo na atualização da matriz de risco

Dados foram divulgados pelo Governo de Santa Catarina nesta quinta-feira, 7

O Governo de Santa Catarina e a Secretaria de Estado da Saúde divulgaram nesta quinta-feira, 7, a atualização da Matriz de Risco Potencial. Segundo os dados, a região da Associação dos Municípios do Alto Vale do Rio do Peixe (AMARP) permanece em nível gravíssimo, o mais alto indicativo do painel.

O mapa aponta que a região está com alta taxa de transmissibilidade, alto índice de monitoramento dos exames e ocupação de leitos de UTI reservados para Covid.

A região da AMARP está a mais de um mês no risco gravíssimo do coronavírus. Com isso, algumas atividades estão com funcionamento restrito, como é o caso das missas e cultos, além dos eventos sociais e atividades esportivas recreativas.

Situação no Estado

Apesar de a região da AMARP permanecer por mais uma semana no nível gravíssimo, o índice começa a cair nas demais regiões do Estado. Agora são 10 das 16 regiões de saúde como em alerta gravíssimo. No boletim anterior, eram 12 locais neste patamar.

De acordo com a epidemiologista Maria Cristina Willemann, a redução do número de casos foi o principal motivo para a melhoria do cenário. “Na matriz dessa semana observamos que o cálculo RT, que é o índice de transmissibilidade, sofreu redução”, destacou.

Mudança na matriz

A Matriz de Risco Potencial passou a considerar a taxa de ocupação de leitos UTI Adulto reservados para Covid-19 no seu cálculo, na dimensão que acompanha a Capacidade de Atenção. Até então, eram considerados todos os leitos de UTI. A mudança é motivada ao se observar que as taxas de ocupação são impactadas pelo empenho para a reabilitação de leitos disponibilizados nos hospitais catarinenses que foram desativados ao longo do tempo.

Neste momento, os demais leitos de UTI podem ser ocupados por outras razões, como a realização de cirurgias que se tornaram tempo-sensíveis. Além disso, atualmente, a maioria dos hospitais já tem um processo de trabalho organizado para reorganização dos espaços que devem ser exclusivos para atendimento de pessoas infectadas ou não, sendo que os leitos vizinhos a uma pessoa positiva ficam naturalmente reservados.

Fonte: Jornalismo Rádio Caçanjurê com informações Governo de SC
Foto: Governo de SC