Escolas Municipais de Caçador desenvolvem projeto de leitura e literatura

As escolas municipais participantes foram: Hilda Granemann Sousa, Irmão Venâncio José, Esperança, Morada do Sol, Nossa Senhora Salete e Pierina Santin Perret

Uma união entre seis escolas do município de Caçador resultou no maior projeto de incentivo à leitura do Brasil. O “Estante Mágica” foi desenvolvido no ano letivo de 2019 com os alunos da pré-escola até os 6º anos.

O projeto iniciou com estudo de determinados temas, através das leituras e contações de histórias. Na sequência os pequenos puderam criar suas próprias histórias e desenhos. Por fim, as criações foram reunidas em um livro.

As escolas municipais participantes foram: Hilda Granemann Sousa, Irmão Venâncio José, Esperança, Morada do Sol, Nossa Senhora Salete e Pierina Santin Perret.

Outro momento importante do projeto foi a valorização dos autores. Foram feitas sessões de autógrafos para a divulgação do livro.

“Nossos alunos foram autores de suas próprias obras, desenvolvendo as histórias e ilustrações. Despertando assim o gosto pela leitura e escrita. Foi um momento muito produtivo onde envolvemos a família escolar nesse projeto. O resultado foi fantástico, muitas histórias mágicas e autores brilhantes”, comenta a diretora, Adriana Campos, da escola Irmão Venâncio.

Na escola Pierina o meio ambiente e os recursos naturais foram o tema das produções. Durante a noite de autógrafos uma “semente surpresa” foi entregue aos convidados.

“Importante sempre conscientizar sobre a reciclagem, a poluição dos rios e como podemos ajudar para que isso diminua. Além, é claro, incentivar o plantio de árvores frutíferas e nativas”, destaca a professora Adriana Moreira Bairro da Pierina.

Na escola Esperança, a professora Gisele de Oliveira Moraes trabalhou com alunos da pré-escola por quatro meses. As atividades ajudaram os pequenos, que ainda não sabem escrever, a identificar as letras e desenvolver a coordenação motora.

“Os alunos tinham como referência as contações de histórias na biblioteca. Como ainda não sabem escrever, eles contavam as histórias e eu escrevia. O trabalho de digitalização ajudou na identificação das letras e na coordenação motora”, comenta a professora Gisele.

A secretária da Educação, Josete Estrowispy, destaca a grandiosidade do projeto.

“Esse é o maior projeto de incentivo à Leitura do Brasil. Para isso foi preciso mobilizar toda a comunidade escolar e contar a participação dos pais e demais professores. Isso contribui para o acervo cultural dos nossos alunos”, finaliza.

Na escola Hilda Granemann de Sousa, os trabalhos foram desenvolvidos em duplas.
“Desenvolvemos o projeto de leitura com o 6º ano. Eles trabalharam em duplas na produção da história. Depois, na sala de informática digitavam os textos. Fizemos a correção desse trabalho, imprimimos e, por último, a professora de arte produziu junto com eles, a ilustração e pintura dos desenhos”, destacou a professora, Lucimara Ribeiro.

Todo o desenvolvimento do projeto envolveu a família e outros setores das unidades escolares.
“Nesse processo criativo eles desenvolvem múltiplas habilidades socioemocionais, como autoconfiança e curiosidade. A Educação Infantil optou por fazer uma história coletiva e ilustração individual feita por cada aluno. Já nos 5º anos cada aluno criou e ilustrou sua história. A parceria com os pais se deu através da biografia que cada um fez de filho. Foi maravilhoso”, destacou Gleci Faganello, diretora da escola Morada do Sol.

O folclore brasileiro foi o tema das obras desenvolvidas na escola Nossa Senhora Salete.
“Aproveitando que estávamos trabalhando a semana do folclore, escrevemos as travessuras do Saci. As atividades iniciaram em agosto e se desenvolveram até dezembro”, destaca a professora Iolanda Maguerroski Ribeiro.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Foto: Divulgação
Comentários
Carregando...