Carlos Moisés é absolvido no tribunal e volta ao cargo de governador de Santa Catarina

Quatro deputados votaram pela absolvição, contra seis votos pela condenação

Com o voto do deputado Fabiano da Luz (PT), oitavo julgador a votar,  o governador Carlos Moisés (PSL) conquistou a soma necessário de votos para ser inocentado nesta sexta-feira (7) pelo Tribunal de Julgamento. Quatro deputados votaram pela absolvição, contra seis votos pela condenação.

A soma inviabiliza a condenação, que depende de sete votos (2/3 do Tribunal de Julgamento) – o Tribunal conta com dez julgadores. Após Fabiano da Luz, votaram o o desembargador Luiz Fornerolli  e o deputado Laércio Schuster (PSB) – ambos favoráveis a condenação. O julgamento ocorre de forma virtual, devido à pandemia de Covid-19

O presidente Ricardo Roesler abriu a sessão às 9h. O governador afastado Carlos Moisés não esteve presente e não se manifestou. Seguindo o rito, se manifestaram os cinco advogados de acusação – Dulcianne Beckhauser Borchardt, Leonardo Borchardt, Bruno Carreirão, Ivo Borchardt e Josué Ledra Leite . Em seguida, o defensor de Carlos Moisés, o advogado Marcos Fey Probst, se manifestou.

Por volta das 11h30, começou a etapa de manifestação dos dez julgadores – cinco desembargadores e cinco deputados estaduais. A ordem foi definida conforme o tempo de atuação nos órgãos (os mais antigos falaram primeiro).

O voto de cada julgador

Desembargadora Sônia Schmitz – Sim

Deputado Marcos Vieira (PSDB) – Não

Desembargador Roberto Pacheco – Sim

Deputado José Milton Scheffer (PP) – Não

Desembargador Luiz Zanelato – Sim

Deputado Valdir Cobalchini (MDB) – Não

Desembargadora Rosane Portela Wolff (relatora) – Sim

Deputado Fabiano da Luz (PT) – Não

Desembargador Luiz Fornerolli – Sim

Deputado Laércio Schuster (PSB) – Sim